GT1.1 – Formação de Recursos Humanos

O GT1.1. Respostas da Linha de Costa do inctAmbTropic – coordenado pelos profs Eduardo Siegle e Tereza Araújo, comunica a defesa da dissertação de mestrado “Vulnerabilidade costeira em praias do norte do Espírito Santo e sul da Bahia” pela acadêmica Juliana dos Santos Ribeiro no Programa de Pós-Graduação em Oceanografia do IOUSP. A defesa da dissertação foi realizada no dia 28 de março de 2014 e a comissão julgadora foi composta pelos profs. Eduardo Siegle (orientador); Jarbas Bonetti (UFSC) e Moysés Tessler (IOUSP). O trabalho foi desenvolvido no contexto do inctAmbTropic e teve também o apoio da Conservation International (CI) através do projeto “Climate change vulnerability assessment of the Discovery coast and Abrolhos shelf, Brazil”.

test alt text Resumo: A erosão costeira é um processo de grande poder destrutivo e que afeta pelo menos 70% da zona costeira no mundo. Entender as causas e os processos que levam à erosão, bem como as regiões mais ou menos sensíveis a ela, é essencial para o correto manejo costeiro. O presente trabalho visa identificar as áreas vulneráveis à erosão, através da aplicação de um Índice de Vulnerabilidade Costeira, em praias do norte do Espírito Santo (Pontal do Ipiranga, Conceição da Barra) e sul da Bahia (Mucuri, Nova Viçosa, Caravelas, Prado, Cumuruxatiba, Corumbau, Arraial d’Ajuda, Porto Seguro). O cálculo do índice se deu pela análise de treze indicadores ambientais: número de frentes frias, regime de tempestade, força de ondas, ângulo de incidência das ondas, estimativa de deriva potencial, morfologia da praia, exposição às ondas, presença de rios e/ou desembocaduras, elevação do terreno, vegetação, taxa de ocupação, obras de engenharia costeira e evidências de erosão. Os resultados mostraram que os indicadores “morfologia da praia” e “exposição às ondas” parecem ser os principais contribuintes para a erosão costeira nos municípios em que foram observados grandes prejuízos na infraestrutura urbana e perigo iminente à população local. Já nos demais municípios que também apresentaram focos de erosão, a combinação entre os indicadores “estimativa de deriva potencial” e “regimes de tempestade” parece ser a principal influência ao processo erosivo. Com exceção de Pontal do Ipiranga (que obteve um resultado de baixa vulnerabilidade), todas as praias apresentaram um IVC correspondente à vulnerabilidade moderada à erosão. O estudo se mostra eficiente para a determinação do nível de vulnerabilidade relativo entre as praias estudadas.

#ErosãoCosteira #PraiasArenosas #CostadoDescobrimento #ModelagemNumérica #GT11

inctAmbTropic recebe sensores CARIOCA

test alt text

Prof. Moacyr Araújo, coordenador do GT3.2 nas instalações da NKE Eletronics – França

O inctAmbTropic recebeu na semana passada os 03 sensores CARIOCA, encomendados junto à NKE Eletronics – França. O sensor CARbon Interface OCean Atmosphere (CARIOCA) pode ser montado em uma bóia fixa ou de deriva. A aquisição foi iniciativa do GT3.2 – Ciclos Biogeoquímicos, Fluxo de CO2 e Acidificação do Oceano Atlântico Tropical do inctAmbTropic.

test alt text

Sensor CARIOCA

Os sensores/bóias adquiridos serão fundeados nas proximidades do Atol das Rocas e dos arquipélagos de Fernando de Noronha e São Pedro e São Paulo. Além da determinação da pressão parcial do CO2 (pCO2) dissolvido na água do mar, as bóias que serão fundeadas pelo inctAmbTropic registram ainda a temperatura, salinidade, e concentração de oxigênio dissolvido. Os valores de pCO2 na água do mar são determinados por colorimetria, utilizando um espectrofotômetro com uma precisão de mais ou menos 3 µatm. Este conjunto de dados permite quantificar as trocas de CO2 entre o oceano e a atmosfera. Os sensores possuem uma autonomia de um ano, com medições a cada hora. Os dados são armazenados e  enviados através do sistema GTS-ARGOS, que também mantem o controle de seu posicionamento. No Atlântico Sul existem em funcionamento contínuo apenas dois sensores CARIOCA, instalados em bóias  ATLAS do Projeto PIRATA.

test alt text

Locais onde serão instalados os sensores CARIOCA: Atol das Rocas, Fernando de Noronha e Arquipélago São Pedro/São Paulo

#Acidificação #OceanoTropical #CARIOCA #pCO2 #GT32

GT2.3 Nova Formação de Pessoal

O GT2.3 Genômica, Proteômica e Biodiversidade do inctAmbTropic, coordenado pelos professores Rodrigo Torres e Mônica Adams comunica a apresentação de mais duas monografias, uma de mestrado e outra de trabalho final de conclusão de curso:

test alt text

Danielle Gama Maia (2014). Variação genética e a conservação do guaiamum (Cardisoma guanhumi, Decapoda: Gecarcinidae) em estuários do litoral de Pernambuco. Dissertação de Mestrado. Orientador: Rodrigo A. Torres; Co-orientador: Mônica L. Adam.

Resumo: 

A sobrepesca do guaiamum (Cardisoma guanhumi) e a perda de habitat contribuem para a redução da população da espécie, devido à maior susceptibilidade à deriva e ao gargalo genético, resultando em perda de potencial evolutivo frente às imposições seletivas do ambiente. Objetivou-se investigar a variação genética e a conectividade de C. guanhumi ao longo do litoral de Pernambuco a partir de 154 exemplares amostrados em cinco estuários com diferentes níveis de conservação. Nove primers ISSRs foram utilizados para acessar a constituição genética da espécie. A diversidade genética observada em C. guanhumi foi alta, contudo, parece haver uma tendência à perda da diversidade genética em áreas estuarinas com elevado grau de antropização. A hipótese de panmixia foi rejeitada em favor de uma distribuição heterogênea dos genótipos de C. guanhumi ao longo da região estudada (FST=0,19), evidenciando uma estruturação genética em fina escala geográfica, compatível com cenários de isolamento por distância. Análises de agrupamento e loci candidatos a estarem sob seleção positiva apontam que as populações de C. guanhumi do litoral Norte e Sul de Pernambuco comportam-se como Unidades Evolutivamente disjuntas e devem ser manejadas independentemente. Os resultados obtidos sugerem que a espécie pode estar em risco adaptativo e necessita de um plano de recuperação, uma vez que, a sua pesca é totalmente dependente dos estoques naturais, que se exauridos, implicarão em graves impactos ecológicos e socioculturais.

test alt text

Flavia Santos Andrade (2014). Análise da conectividade genética da tainha branca (Mugil curema Valenciennes, 1836) no Nordeste oriental do Brasil. Trabalho de conclusão de curso. Orientador: Rodrigo A. Torres

RESUMO:

Mugil curema é uma espécie amplamente distribuída ao longo do Oceano Atlântico com ocorrência nos ambientes tropicais e subtropicais. Esta espécie é considerada um importante recurso pesqueiro no nordeste oriental do Brasil e tem sido alvo da pesca extrativista. Entretanto, informações sobre conectividade e estruturação de populações de tainha são ausentes o que dificulta o manejar as atividades pesqueiras de forma sustentável. Essa informação é crucial para manejar as atividades pesqueiras focando em uma exploração sustentável. Foram amostrados 150 exemplares de M. curema de 5 sítios geográficos diferentes no nordeste oriental do Brasil, com o intuito de investigar as relações genéticas entre as áreas estuarinas acessadas. Sequencias parciais do gene citocromo b foram obtidas e analisadas por métodos de filogenia molecular e genética de populações. No geral, os resultados indicam que a tainha branca apresenta baixa variação genética, já que entre 150 exemplares foram observadas 37 variações para Citocromo b. Tal evidência sugere que cerca de um a cada quatro exemplares é diferente (25% de variação). Porém, Mugil curema é claramente dividida em duas populações bem suportadas que vivem em simpatria. M. curema tipo 1, o qual é intimamente relacionado com M. hospes, e M. curema tipo 2, o qual não foi encontrada na localidade de Tamandaré, PE. As análises de diversidade indicam o tipo 1 com baixa variação genética (~ 16% de variação). Já os dados para o tipo 2 sugerem uma variação genética moderada (~ 50%). Os dados demográficos sugerem regimes populacionais díspares: tipo 1 gargalo genético e tipo 2 expansão recente. O conjunto dos resultados sugere manejo pesqueiro diferenciado para ambas as populações já que se tratam de unidades evolutivas descontínuas com histórias demográficas particulares.

#Genômica #Guaiamum #Tainha