GT2.3 Nova Formação de Pessoal

O GT2.3 Genômica, Proteômica e Biodiversidade do inctAmbTropic, coordenado pelos professores Rodrigo Torres e Mônica Adams comunica a apresentação de mais duas monografias, uma de mestrado e outra de trabalho final de conclusão de curso:

test alt text

Danielle Gama Maia (2014). Variação genética e a conservação do guaiamum (Cardisoma guanhumi, Decapoda: Gecarcinidae) em estuários do litoral de Pernambuco. Dissertação de Mestrado. Orientador: Rodrigo A. Torres; Co-orientador: Mônica L. Adam.

Resumo: 

A sobrepesca do guaiamum (Cardisoma guanhumi) e a perda de habitat contribuem para a redução da população da espécie, devido à maior susceptibilidade à deriva e ao gargalo genético, resultando em perda de potencial evolutivo frente às imposições seletivas do ambiente. Objetivou-se investigar a variação genética e a conectividade de C. guanhumi ao longo do litoral de Pernambuco a partir de 154 exemplares amostrados em cinco estuários com diferentes níveis de conservação. Nove primers ISSRs foram utilizados para acessar a constituição genética da espécie. A diversidade genética observada em C. guanhumi foi alta, contudo, parece haver uma tendência à perda da diversidade genética em áreas estuarinas com elevado grau de antropização. A hipótese de panmixia foi rejeitada em favor de uma distribuição heterogênea dos genótipos de C. guanhumi ao longo da região estudada (FST=0,19), evidenciando uma estruturação genética em fina escala geográfica, compatível com cenários de isolamento por distância. Análises de agrupamento e loci candidatos a estarem sob seleção positiva apontam que as populações de C. guanhumi do litoral Norte e Sul de Pernambuco comportam-se como Unidades Evolutivamente disjuntas e devem ser manejadas independentemente. Os resultados obtidos sugerem que a espécie pode estar em risco adaptativo e necessita de um plano de recuperação, uma vez que, a sua pesca é totalmente dependente dos estoques naturais, que se exauridos, implicarão em graves impactos ecológicos e socioculturais.

test alt text

Flavia Santos Andrade (2014). Análise da conectividade genética da tainha branca (Mugil curema Valenciennes, 1836) no Nordeste oriental do Brasil. Trabalho de conclusão de curso. Orientador: Rodrigo A. Torres

RESUMO:

Mugil curema é uma espécie amplamente distribuída ao longo do Oceano Atlântico com ocorrência nos ambientes tropicais e subtropicais. Esta espécie é considerada um importante recurso pesqueiro no nordeste oriental do Brasil e tem sido alvo da pesca extrativista. Entretanto, informações sobre conectividade e estruturação de populações de tainha são ausentes o que dificulta o manejar as atividades pesqueiras de forma sustentável. Essa informação é crucial para manejar as atividades pesqueiras focando em uma exploração sustentável. Foram amostrados 150 exemplares de M. curema de 5 sítios geográficos diferentes no nordeste oriental do Brasil, com o intuito de investigar as relações genéticas entre as áreas estuarinas acessadas. Sequencias parciais do gene citocromo b foram obtidas e analisadas por métodos de filogenia molecular e genética de populações. No geral, os resultados indicam que a tainha branca apresenta baixa variação genética, já que entre 150 exemplares foram observadas 37 variações para Citocromo b. Tal evidência sugere que cerca de um a cada quatro exemplares é diferente (25% de variação). Porém, Mugil curema é claramente dividida em duas populações bem suportadas que vivem em simpatria. M. curema tipo 1, o qual é intimamente relacionado com M. hospes, e M. curema tipo 2, o qual não foi encontrada na localidade de Tamandaré, PE. As análises de diversidade indicam o tipo 1 com baixa variação genética (~ 16% de variação). Já os dados para o tipo 2 sugerem uma variação genética moderada (~ 50%). Os dados demográficos sugerem regimes populacionais díspares: tipo 1 gargalo genético e tipo 2 expansão recente. O conjunto dos resultados sugere manejo pesqueiro diferenciado para ambas as populações já que se tratam de unidades evolutivas descontínuas com histórias demográficas particulares.

#Genômica #Guaiamum #Tainha

Primeira Tese de Doutorado defendida no âmbito do inctAmbTropic

No dia 21/12/2012 realizou-se nas dependências do Programa de Pós-graduação em Biologia Animal, Dep. Zoologia, CCB, UFPE , a defesa de Doutorado de Guilherme F. Gondolo. O trabalho estudou a conectividade genética e morfológica da Tainha, Mugil curema (Perciformes: Mugilidae) nos estuários do nordeste oriental do Brasil. O estudo utilizou marcadores de DNA nuclear e mitocondrial, além de morfometria geométrica.

Os principais resultados obtidos indicam ser bem possível que Mugil hospes e Mugil curema sejam a mesma entidade taxonômica e que M. curema esteja em um franco processo de diferenciação populacional exigindo assim, medidas particulares ne gestão deste recurso. Verificou-se ainda que  a população de M. curema do estuário do rio São Francisco teve um papel histórico fundamental no suprimento de larvas para outros 2 estuários mais ao Norte. Portanto, medidas prioritárias de conservação do tipo “source-sink” devem ser implementadas nestas áreas.

Este foi o primeiro produto do item formação de recursos humanos do GT 2.3 do inctAmbTropic e foi orientado pelo prof. Rodrigo Torres coordenador do GT2.3 e teve como co-orientador Diego Astúa de Moraes. Em breve o exemplar estará disponível para download no portal do inctAmbTropic.

test alt text

Defesa de Guilherme F. Gôndolo (camisa vermelha). O orientador, prof. Rodrigo Torres, aparece ao centro da foto.

ABSTRACT

Conectividade genética e morfológica de Mugil curema Valenciennes, 1836 (Teleostei: Mugilidae) ao longo da região costeira de Pernambuco e em estuários adjacentes do Nordeste oriental do BrasilOs padrões de estruturação populacional podem ser entendidos pela dinâmica das populações, e tal entendimento passa pela distinção de unidades evolutivas e compreensão dos padrões de conectividade. A tainha (parati), Mugil curema, objeto do presente trabalho, apresenta-se como modelo para estudos de conectividade populacional, uma vez que existem evidências consolidadas acerca da existência de um potencial complexo de espécies ou de populações disjuntas. Revelar o patamar de variação genética-morfológica da espécie, bem como descobrir como e em que nível a variabilidade genética se apresenta ao longo da região é o objetivo central do presente estudo. A espécie foi estudada nos estuários dos rios Potengi/RN, Paraíba do Norte/PB, Canal de Santa Cruz/PE, Formoso/PE, São Francisco/AL e Ribeira de Iguape/SP. A variabilidade genética foi acessada por PCR, pelo uso de marcadores moleculares PCR-RFLP do gene Citocromo Oxidase Subunidade I e ISSRs, foram observadas as histórias genético-demográfica da espécie na região, sendo desenvolvidas análises de agrupamento e mensurados parâmetros genético-populacionais. A diferenciação em tamanho e forma dos indivíduos foi realizada pela morfometria geométrica. Tanto os dados obtidos da região mitocondrial, assim como os colhidos da região nuclear do genoma da espécie evidenciaram alto grau de estruturação populacional. Em menor grau, mas também evidente, foi observada diferenciação morfológica entre os exemplares dos diferentes estuários. Pode-se concluir que as populações de Mugil curema encontram-se em processo de diversificação, sugerindo um possível complexo de espécies sob a denominação Mugil curema. Além disso, uma das populações deste complexo é genético-evolutivamente mais relacionada com Mugil hospes do que com duas outras populações da própria espécie. Perante os resultados obtidos, o manejo das populações de Mugil curema no litoral brasileiro deve ser abordado de forma muito cuidadosa e específica, uma vez que a diversificação populacional deste taxon é conspícua e de forma geral é notório que os seis estuários não podem ser regidos pelas mesmas ações e medidas para a conservação do estoque de tainhas.

#Genômica #GT23 #RecursosPesqueiros #Tainha

Poluição Altera o DNA do Guaiamum em Pernambuco

Saiu publicado ontem (31/03/2013) no Jornal do Comércio de Pernambuco, reportagem de página inteira, focando pesquisas desenvolvidas pelo GT2.3 Genômica, Proteômica e Biodiversidade, sobre os resultados obtidos na 1a fase de uma análise de dano genômico, erosão genética putativa e conservação do Cardisoma ganhumi nos ecossistemas estuarino/manguezal do Estado de Pernambuco. O projeto é coordenado pela  Vice-Coordenadora do GT2.3, Dra. Mônica L. Adam, e conta com a participação de Caio Falcão, aluno de doutorado da UFPE, orientado pelo Prof. Dr. Rodrigo Torres, coordenador do GT2.3.

test alt text

Reportagem do Jornal do Comércio – Recife de 31/03/2013

test alt text

Guaiamum, um dos itens da culinária brasileira, sofre mutações genéticas por causa da contaminação (Fonte: Jornal do Comércio)

#Genômica #Guaiamum #MutaçãoGenética