A erosão costeira é um problema que afeta linhas de costa urbanizadas e não-urbanizadas em todo o mundo e certamente será exacerbado com o aumento do nível do mar previsto para as próximas décadas, em decorrência do aquecimento global. A erosão costeira afeta aproximadamente 1/3 da linha de costa do estado de Pernambuco. Estudos anteriores mostram que os fatores causadores da erosão são variados. Em algumas praias a erosão é produto direto da ação antrópica, devido à ocupação muito próxima da zona ativa da praia, como é o caso da praia de Boa Viagem (Recife). Para avaliar a dinâmica da linha de costa da praia de Boa Viagem, instalou-se em outubro de 2012, um sistema de vídeo monitoramento (sistema Argus) no alto do Hotel Jangadeiro. Este sistema composto por cinco câmeras de alta resolução, permite um ângulo de cobertura da 180 graus,  monitorando um trecho de mais de 1,5km de linha de costa.

test alt text

Imagem panorâmica com as cinco câmeras cobrindo 180 graus de linha de costa

A partir das imagens coletadas a intervalos de 30 min pode-se digitalizar a posição da linha de água, que pode ser utilizada não só na determinação da taxa de erosão/acreção de curto e médio prazos, mas também na determinação do perfil intermareal. Em função do comportamento da posição da linha de costa pode-se realizar projeções futuras.

test alt text

Imagem retificada da praia durante o estagio de preamar

test alt text

Imagem retificada da praia durante o estagio de baixa-mar. As linhas pretas próximo a linha de praia são recifes expostos.

Abaixo é possível assistir a um pequeno clip de uma composição de imagens tomadas pelo sistema Argus 

A

lém dos dados referentes à posição da linha de costa o sistema Argus é capaz de gerar mapas batimétricos da zona de surfe e antepraia a partir de séries temporais de intensidade luminosa coletadas em pixeis pré-determinados bem como analisar a interação entre as ondas e os recifes localizados adjacentes a praia. Este projeto é fruto da iniciativa do prof. Pedro Pereira da UFPE, que integra a equipe do GT1.1 – Respostas da Linha de Costa,  do inctAmbtropic. O inctAmbTropic deverá instalar nos próximo anos mais 04 sistemas Argus na região norte-nordeste do Brasil.

O projeto do prof. Pedro Pereira conta com financiamento da Fundação de Amparo à Ciência e Tecnologia do Estado de Pernambuco (Facepe) dentro do programa de infra-estrutura para jovens pesquisadores – Programa Primeiros Projetos (EDITAL FACEPE 10/2010), sendo fruto de uma colaboração já existente entre a UFPE e o Coastal Imaging Lab da Oregon State University (OSU-EUA).

Um pouco mais sobre o prof. Pedro Pereira:

test alt text

Pedro Pereira possui graduação em Oceanologia pela Fundação Universidade Federal do Rio Grande (2002), mestrado em Oceanografia Física, Química e Geológica pela Fundação Universidade Federal do Rio Grande (2005) e doutorado pelo referido programa de pós-graduação (2010). Tem experiência na área de oceanografia, com ênfase em oceanografia geológica, atuando principalmente nos seguintes temas: morfodinâmica e segurança de praias, vulnerabilidade costeira a eventuais derrames de óleo em praias, sedimentologia, erosão costeira e vídeo imageamento da zona costeira. Atualmente é docente do Departamento de Ocenografia da Universidade Federal de Pernambuco. e-mail: psppraias@gmail.com

#Argus #ErosãoCosteira #GT11 #PraiasArenosas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *